Lendo agora
Você votaria em você mesmo?

Você votaria em você mesmo?

Avatar

Por Daniela Vianello*

Photo credit: serbosca via VisualHunt / CC BY
Photo credit: serbosca via VisualHunt / CC BY

Em época de eleição, além dos movimentos naturais desse processo (pesquisa, reflexão, escolha), vemos muita gente lavando roupa suja, apontando dedos, criticando os que agem ou se manifestam de forma diferente, etc.

Penso aqui… Será que, em vez de olhar só para o ambiente político, podemos usar essa fase para refletir sobre como estamos gerenciando no nosso dia a dia e as responsabilidades que são exclusivamente nossas. Estamos usando nosso poder – e o que está a nosso alcance – para agir de forma positiva, com atitudes que possam melhorar nossa vida, das pessoas próximas e da comunidade onde vivemos?

Por exemplo, estamos furando filas, estacionando em vaga de idosos ou deficientes (sem sermos idosos ou deficientes), tentando levar vantagem de alguma forma? Ou estamos respeitando o espaço do outro e as normas de convívio? A maneira que escolhemos agir no nosso mundo pessoal pode – ou não – dar força para as ações que mais reclamamos dos governantes. Afinal, tudo é energia e estamos todos conectados. Se escolhemos agir com responsabilidade e respeito, estamos dando força para esse tipo de postura no mundo. Se escolhemos agir com desrespeito e de forma irresponsável, é com esse tipo de atitude que estamos somando nossa energia.

Outra reflexão interessante é sobre como estamos usando nossos recursos: estamos usando com consciência, com ponderação e bom senso ou estamos desperdiçando, usando indevidamente, não valorizando (seja esse recurso natural ou material). Estamos considerando nossa comunidade e suas necessidades, o planeta e seus limites? Estamos colaborando com a energia do desperdício, da falta de valor ou com a energia do cuidado, da cooperação, da abundância?

Gosto desse exercício e descubro sempre alguma atitude que pode ser reavaliada, trocada ou melhorada. Acredito que somos todos Um, mesmo que, superficialmente, nos sintamos separados um dos outros. Acredito, também, que se queremos melhorar o todo, precisamos começar pelo individual.

Como disse Mahatma Gandhi, líder pacifista indiano, “Seja a mudança que você quer ver no mundo”. Uma frase curta, mas profunda e que cabe tão bem nessas épocas de dedos apontados e cobranças por um mundo melhor.

Daniela Vianello

*Daniela é buscadora. Coach de Saúde Integrativa pela IIN/NY, pratica Yoga, estudou Metafísica e Física Quântica, Alimentação Consciente, Mandalas, Leitura de Cartas e é Reikiana. Adora escrever e explorar o universo do comportamento humano. Contato: [email protected]

Vá para cima