Lendo agora
Você é capaz de lidar com todos os seus medos, acredite!

Você é capaz de lidar com todos os seus medos, acredite!

Avatar

Por Matheus Miranda, do blog SER e SÓ

Há algum tempo comecei a prática da meditação. Confesso que a encarava com certo misticismo, acreditando que através dela poderia ser transportado dessa dimensão para uma onde a existência não teria nenhum peso e o simples fato de respirar fosse entendido como um presente divino e, assim, o coração fosse inundado pelo calor da gratidão. Tudo isso existe de fato, pois já tive contato com esse lado do universo que habita dentro de cada um de nós. Ele é profundo e belo como o oceano. Mergulhar em nós mesmos nos possibilita vivenciar o melhor sentimento que existe, o qual eu nem sei nomear, acho que o nome que mais se aproxima é plenitude. Aliás, nesse estado não existem conceitos, as coisas são como são e sentir-se pleno é sentir-se com Deus.

Porém (sempre há um porém) o universo não é só de coisa boa. Percebi que em meio a esse oceano infinito que habita meu peito alguns sentimentos emergem com um poder imenso de me arrastar para a fossa. Se por um lado esses mesmos sentimentos são capazes de me inspirar a criar os mais belos poemas, por outro me paralisam e fazem o peito sangrar. Já lutei muito contra eles, hoje me permito apenas sentir.

A nossa realidade é criada dentro de nós, não somente pelos nossos pensamentos, mas também pelos nossos sentimentos. Quando nos propomos a sentar e silenciar essa confusão de pensamentos que, muitas vezes, nos impedem de olhar com clareza as coisas como elas realmente são, tudo o que está dentro de nós se apresenta. E que fruto pode-se esperar quando se planta macieiras? A meditação é colheita!

Permitir criar um espaço de sinceridade dentro de si, onde o que tiver ali dentro pode se apresentar sem máscaras nem desculpas, pode ser um processo doloroso.

Permitir criar um espaço de sinceridade dentro de si, onde o que tiver ali dentro pode se apresentar sem máscaras nem desculpas, pode ser um processo doloroso. Nessa prática tenho me deparado com o meu lado mais terrível, aquele que por diversos motivos me machuca. Percebi que o nosso maior inimigo não são as pessoas que nos odeiam, não é a criação que nossos pais nos deram, não são as oportunidade negadas que tivemos na vida. O nosso maior inimigo é a nossa falta de consciência no que se passa em nossa cabeça no dia a dia.

Diariamente alimentamos vícios que criam o que os budistas chamam de carma, isto é, causas e consequências que criam a nossa realidade. Através de nossas palavras, ações e pensamentos envenenamos-nos pouco à pouco. Cada pensamento ou ato de ganância, raiva ou ignorância cometido por nós conscientes ou não, cria uma marca, um boletinho a mais em nossa dívida com o universo. Um dia a conta vem, você querendo ou não, e quando isso acontece nos desesperamos, culpamos o universo por tamanha “injustiça”. Porém, depois da dívida firmada, não há o que possamos fazer além de aceitar a cobrança. Mas esse aceitar pode ser, e é, a nossa libertação desse ciclo.

Hoje me permito apenas sentir. Deixar que todos esses sentimentos plantados num passado onde eu não tinha consciência do efeito dos meus atos venham e se mostrem. Quando os aceitamos, sem julgamento ou piedade, deixando-is se mostrarem exatamente como são, eles perdem a força. Conseguimos enxergar que apesar de todos os erros, de todos os arrependimentos, de todo mal que causamos para nós mesmos, somos seres cheios de luz e poderosos. O que vem vem disso é um acatamento integral do que somos e o cuidado com a intenção em cada ato e pensamento, a vida fica leve.

Por isso, não se desespere quando no silêncio de seu quarto os mais pesados sentimentos agarrarem seu pescoço. Se eles estão aí, foi você quem os plantou e, com o mesmo poder que os criou, é capaz de lidar com cada um deles e vencê-los. Aprenda com eles o que tem que aprender e livre-se permitindo-se SER e SÓ.

*Matheus Miranda é um vagalume que se propôs a ser ele mesmo, mesmo sabendo que a busca por si mesmo é sempre algo constante e mutável. Apaixonado pela escrita é membro idealizador do blog SER E SÓ, o qual surgiu da vontade de viver em um mundo mais leve, divertido e com amor!
Veja comentários

Deixe uma resposta

Vá para cima