Lendo agora
Uma nova fase para a comunidade de Kundalini Yoga

Uma nova fase para a comunidade de Kundalini Yoga

Daniela Mattos

Uma nova fase para a comunidade de Kundalini Yoga, na minha opinião, inicia-se à partir do lançamento do livro Premka – White Bird in a Golden Cage. Ele foi lançado no dia 8 de janeiro de 2020 e acredito que muita água ainda vai rolar. É só o início. Já tinha falado antes que achava que a década de 2020 seria a culminação da Era de Aquário. Pois bem, mal acabamos o segundo mês da década e não acho mais isso. Eu tenho certeza. Acredito também que se a comunidade de Kundalini Yoga achava que não teria que refletir durante a Era de Aquário, estávamos bem enganados.

Fiquei assustada quando escutei falar sobre o livro e, também, ao saber sobre as denúncias de abusos sexuais e ações criminosas cometidas pelo Yogi Bhajan. Resisti por uns dias, porém, sabendo da minha responsabilidade como professora de Kundalini Yoga, comprei o livro. Logo antes de iniciar a leitura pensei: “qual a pior coisa que pode acontecer se eu ler esse livro?” 

Refleti e meditei. A conclusão que cheguei foi que tentaria ao máximo não relevar os ensinamentos de Kundalini Yoga, considerando sua eficiência e funcionalidade. Não acredito nisso porque alguém me falou, mas sim, porque eu experienciei e experiencio os benefícios em mim mesma.

Li o livro todo em dois dias. Eu acredito na Pamela (Premka). Eu me solidarizo e acredito que ela sofreu muita dor durante os mais de 16 anos no círculo de convívio do Yogi Bhajan. No livro, ela relata que por muito tempo se culpou por parte dos acontecimentos, como se não devesse ter dado tanto do seu próprio poder para outra pessoa. Mas gostaria de dizer à Pamela que ela não pode carregar essa responsabilidade. Estamos falando de 1968 – 1984, uma época em que muitas mulheres ainda não tinham se tornado donas de si mesma. 

Estou inconformada e desapontada com o comportamento de Yogi Bhajan. Nada justifica suas atitudes, muito menos seus possíveis crimes. As acusações de abusos sexuais e psicológicos mencionadas no livro foram somente o início. Após a publicação, várias outras mulheres estão vindo à público falar dos abusos que sofreram décadas atrás. Já chorei muito e acredito que ainda vou chorar mais vezes. Choro porque não compreendo como alguém pode ter atitudes tão repudiáveis. Choro de raiva. Choro de ódio. Choro de dor. 

Entretanto, minha experiência de vida já me ensinou que não posso ficar assim. Não posso carregar essa raiva. Não sou eu que vou carregar o Karma das ações dele e, se eu carregar essa raiva e ódio dentro de mim, vou sentir as consequências no meu próprio corpo. Então, quando esses sentimentos se tornam muito intensos, lembro que Lei Universal do Karma tomará conta de tudo isso e tento me conectar com a minha essência.

Kundalini Yoga na minha vida

Kundalini Yoga, segundo ensinamentos passados por Yogi Bhajan, me salvou. Nunca irei diminuir a importância e relevância desses ensinamentos. A minha dor nas costas, que quase me paralisou, era causada pela raiva que carregava dentro de mim. Com a prática de Kundalini Yoga, consegui integrar todas as partes do meu ser: corpo, mente e alma. Isso tudo fez com que minha dor nas costas dissolvesse. 

Desde então, nunca parei de praticar Kundalini Yoga e experienciar os benefícios dessa prática cada dia mais. Ensino Kundalini Yoga por perceber que ela depende apenas de quem pratica. Cada um é o verdadeiro responsável por fazer os efeitos de Kundalini Yoga serem reais, com comprometimento e dedicação.  

Minha percepção sobre Yogi Bhajan começou a ser formada quando pratiquei Kundalini Yoga pela primeira vez. Não o conheci como pessoa. Sou da geração de professores que criaram uma imagem do Yogi Bhajan baseado em histórias, vídeos e livros. A personalidade forte do Yogi Bhajan é facilmente visível nos vídeos. Como tudo neste mundo, desde o início, têm pessoas que gostam dele e outras não. Por que eu falo isso? Acredito que o maior erro da comunidade como um todo, cometido principalmente por aqueles que gostavam dele, foi ter colocado Yogi Bhajan em um pedestal. Adorando-o como quase um ser santo, um guru ou como o nosso mestre espiritual

O próprio Yogi Bhajan falava muitas vezes “Você é seu próprio guru”. Se ele falava isso sem uma intenção verdadeira eu não sei responder, mas também acho que não importa mais. 

O livro da Pamela e todas as denúncias que vêm surgindo marcam essa nova era dentro da comunidade de Kundalini Yoga. De uma certa forma, muitos de nós fomos ingênuos – e me incluo nesta lista – em acreditar que íamos passar pela Era de Aquário sem uma polarização extrema, sem a queda do sistema patriarcal. O que está acontecendo – e o fato de estarmos vivendo isso – faz parte dessa evolução, que muitas vezes é dolorida. 

Nessas primeiras semanas deste acontecimento, tomei consciência de alguns pontos: 

1. Somos mais fortes do que imaginamos – admito que no primeiro momento não queria ler o livro. Não queria lidar com a dualidade, pois não sabia se iria conseguir. Mas dentro de mim, tinha consciência que precisava ler. Para os professores que ainda não leram o livro ou as notícias sobre novas denúncias: recomendo que você também leia. Você precisa encarar os erros de Yogi Bhajan. Além disso, deve resgatar em si a força para compreender que os efeitos de Kundalini Yoga estão dentro e dependem apenas de você.   

2. Compaixão incondicional – se você não quer acreditar que a Pamela e as outras vítimas sofreram os abusos, compreenda apenas que eles possuem feridas profundas. Nós precisamos ter compaixão para que eles possam finalmente amenizar essas feridas. Se você está com raiva por eles terem falado essas coisas do Yogi Bhajan, tenha compaixão de você mesmo primeiro. Tente entender porque você está se sentindo assim. A resposta desse sentimento negativo em relação a eles é um reflexo de algo que está dentro de você.

3. Reverenciar à minha essência –  ONG NAMO GURU DEV NAMO – Eu reverencio a Sabedoria Infinita dentro de mim. Eu sou minha própria Guru e sempre serei a única Guru que vou reverenciar. A conexão com a minha essência é a única certeza que tenho. Como professora, minha obrigação é lembrar as pessoas que participam das minhas aulas que elas próprias são o Mestre ou Mestra que elas buscam. Cada pessoa é responsável pela sua própria evolução.

4. A essência verdadeira são os ensinamentos – Kundalini Yoga funciona. Não é a única maneira de expandir a consciência, mas é uma técnica bem eficiente e é isso que temos que passar para frente. Yogi Bhajan também dizia sempre: “Ame os ensinamentos, não a mim”. Não sei dizer se ele falava isso da boca para fora, ou se, de uma forma premonitória, ele sabia que eventualmente a gente teria que separá-lo dos ensinamentos.

Além disso, após o lançamento do livro, ressurgiu um questionamento antigo sobre o surgimento dos ensinamentos de Kundalini Yoga. No treinamento do KRI, eles mencionam somente 1 mestre anterior ao Yogi Bhajan. Mas Pamela menciona outro mestre, que coincide com um relatório lançado em 2012 de um ex-aluno que investigou esse assunto mais a fundo. Ele também cita a possibilidade do Yogi Bhajan ter criado seu próprio método de Kundalini Yoga, baseado no que aprendeu com 2-3 mestres de linhagens diferentes. 

Além disso, durante vários vídeos que já assisti, tive a sensação (e não fui só eu) de que o Yogi Bhajan estava em transe. Desde então, sempre achei que parte do que ele ensinava era canalizado. 

Por conta de tudo isso, talvez a gente nunca saiba exatamente de onde veio. E isso é mais um motivo para considerarmos os efeitos e benefícios que a prática Kundalini Yoga tem sobre nós mesmos. A origem está dentro de nós. 

5. A responsabilidade de ser professora – Nós, professores de Kundalini Yoga, precisamos seguir evoluindo sempre e encarando de frente toda essa realidade que nos foi apresentada. O Yogi Bhajan costumava falar: “Vocês terão que ser 10 vezes melhores do que eu”. E, na época, eu geralmente dava risadas, porque pensava: “Impossível! Não há maneira de eu ser 10x melhor que ele. Como qualquer um de nós vai fazer isso?”. Bem, agora sabemos e acredito que, dentro dele, ele também sabia. 

A Era de Aquário está aqui e todos nós teremos que evoluir. Precisamos criar uma consciência coletiva e nos unirmos para conseguirmos, de fato, evoluir. Estamos passando por um período de luto, por uma limpeza coletiva, uma purificação. Eu acredito que quando essa fase acabar seremos melhores do que somos hoje. Medite, chore, entre em contato com a sua essência; com o seu Eu Superior; com sua Identidade Verdadeira; com o seu Sat Nam.

Eu ainda estou processando tudo isso. Ainda preciso de mais tempo para digerir tudo, mas queria compartilhar com vocês o que está acontecendo com a comunidade de Kundalini Yoga Internacional. Eu sei que a minha missão é ajudar outras pessoas que, como eu, estão passando por momentos difíceis. Mas só você saberá o que fazer com essa nova realidade. 

Com Amor, Luz e Sat Nam!

Daniela Mattos

Veja comentários (2)
  • na minha humilde opiniao, cabe a todos apenas aceitar a humanidade do cara, como todos nós um ser cheio de sombra e luz….. a expectativa que colocaram em cima de mais um homem, que sim, sistematizou uma tecnica incrivel, mas isso nao faz dele um ser infalivel, um semi deus, ele permanece humano, faz suas merdas e até pode cometer crimes como varios outros humanos. sem relevar nem diminuir nada o mal que ele causou, ele tem o direito de ser falível e arcar com as consequencias disso. quanto a tecnica, está alem do criador, como o bikram, iyengar, ashtanga e demais praticas lindas difundidas por seres humanos com atitudes bem escrotas e/ou criminosas.

  • Aceitar humanidade do cara. Partindo do princípio que ele era um líder espiritual e era por isto que as pessoas ia falar com ele, pra ter algum tipo de ajuda. Não é apenas expectativas sobre o * cara* era alguém que se colocava como líder, e ensinava e aconselhava, todos nós alguma vez na vida já fomos atrás de pessoas que poderia nos trazer de volta para nos mesmo, vários outros humanos estamos falando de alguém que ensina milhões com sua sabedoria , ser humano que foi dotado de dons e talentos incríveis , quando vc busca ajuda bem provavelmente vc está em crise, fragilizada, e se encanta com quem te tras uma luz, aquela que vc tem mas não consegui ver, Direto de ser falível usando a fragilidade do outro? Aceitar atitudes escrotas e criminosas pq a técnica é boa… como assim ? Com que tipo de energia estamos lidando? É estas pessoas que passaram por estas atitudes criminosas não conta? Ah mais elas que indeusaram o cara oi elas foram buscar ajuda de um ser que se colocava como líder e falava não sou guru vcs próprios tem sabedoria s tua própria luz busque, …Luz continua sendo luz , e sombra todos temos e vai depender de nossa consciência trabalhar elas e com elas ….as vezes precisamos de alguém que nos aponte o caminho, e confiamos nesta pessoa, isto não dá o direto do outro manipular e usar deste dom para benéfico proprio e usar desculpa sórdida da sombra, a questão não é idealizar líder espirital como semi Deus mas sim recorrer a outro ser humano que ” encontrou o caminho da consciência e se colocou em ajudar outros”. enfim está tb é minha humilde opinião . Luz é luz sigamos em paz!! Lembrando que somos seres divinos tento uma experiência humana…graça e paz.

Deixe uma resposta

Vá para cima