Lendo agora
Turbulências, trovoadas, escuridão, rochas, tudo isso você pode encontrar no caminho da meditação

Turbulências, trovoadas, escuridão, rochas, tudo isso você pode encontrar no caminho da meditação

Paula Zogbi

Quase sempre que me deparo com o termo meditar, seja em depoimentos ou leituras, encontro caminhos serenos, de plenitude, mansidão, como se o templo da paz e da luz estivesse logo ali, a apenas um passo. Basta sentar, respirar e em instantes entramos em contato com aquele Ser perfeito, iluminado, pleno, repleto de amor-próprio e amor incondicional por tudo e por todos.

Esta não tem sido a minha trilha. Bem que gostaria! A meditação, algumas vezes, tem me levado a um caminho tortuoso, lotado de pedras, farpas, formigueiros, raios e trovões. Claro, nem todo dia é igual. Nem todo dia é nublado, assim como nem todo dia é verão e sol e um barquinho a deslizar. Mas, desde que me propus a mergulhar profundamente em mim mesma por meio da meditação, resolvi deixar o controle-remoto sem pilhas. Ao menos nesses momentos.

escuridao

Me proponho a fazer a entrega, digamos, necessária. E confesso ter visto coisas em mim que me surpreendem um tanto. Faço um esforço danado para não julgá-las, o que não é fácil, porque isso já é um vício. Vou mentir se disser que sou uma pessoa livre de julgamentos. Bem que gostaria! E é justamente sobre essas rochas estagnadas, trovoadas, escuridões que encontro pelo meio do caminho aquilo que gostaria de compartilhar com você.

O quanto ainda é preciso de fato assumir que sim, julgo, sim, tenho preconceitos, sim, tenho padrões muito sedimentados, sim, tenho muita dificuldade em fazer mudanças internas e externas para poder, finalmente, ter forças e coragem genuínas para ir retirando pedrinha por pedrinha com amorosidade, sem rancor. Entendê-las e acolhê-las, todas, como capítulos de uma linda história de vida que me trouxeram até aqui.

pedra

Meditar para mim tem sido me entregar para o inesperado. Quando vou me sentar, respiro fundo para acolher e observar o que se apresentar, sejam pontinhos escuros ou pontinhos de luz.

Se ao final de meia-hora eu tiver passado por uma grande turbulência, que bom, esse era o meu momento, a minha verdade, que bom que pude enxergá-las, senti-las vibrando em todo meu corpo, mente, sem mentir para mim.

turbulencia

O que não posso é sentar e me enganar na expectativa de que ao final de cada meditação sempre emergirá um Ser que enxergou um caminho liso, pronto, fácil, repleto de luz e paz.

Tenho dito uma frase para mim que talvez faça ressonância para você:

“Acolha a sua verdade, seja ela qual for”.

 Até a próxima.

Namastê

Paula Zogbi

Vá para cima