Lendo agora
Testei o Muse – o app de meditação com headband que mede ondas cerebrais

Testei o Muse – o app de meditação com headband que mede ondas cerebrais

Cristiana Dias Baptista

Outro dia tive a chance de levar para casa por uns dias o Muse, aquele gadget de meditação que diz medir e analisar nossas ondas cerebrais sendo capaz de qualificar nossa mente durante as práticas meditativas.

Confesso que fiquei tão animada quanto temerosa com o prospecto de ter minhas sessões esmiuçadas. Afinal, meditar é uma das práticas mais subjetivas a que já me dediquei. Tão subjetiva que a real é que eu nem tenho como provar a alguém – a não ser, talvez, ao meu parceiro, que muitas vezes é testemunha ocular -, que tenho meditado todos os dias, há quase dois anos.

Aliás, não tenho nem como provar a mim mesma, que os conquistados 20 minutos diários que passo sentada, imóvel, com os olhos fechados contado respirações e/ou mentalizando mantras e/ou deixando os pensamentos passarem e/ou começando tudo outra vez, seja de fato meditar.

É claro que existem todas aquelas provas invisíveis a olho nu, sem as quais eu não teria persistido, e nem continuaria persistindo na prática (não, meditar não é um ato de fé). Mas e se eu colocar o Muse para medir minhas ondas cerebrais e ele disser que isso que estou fazendo nem meditar é?

Bom, o medo da minha “meditação” ser revelada uma farsa durou poucos segundos e, na primeira chance, lá estava eu com o app baixado no celular e o aparato na testa. ;-)

Leia a seguir minhas impressões:

Me senti extremamente focada, pois o objetivo com o Muse é claro: você tem que fazer os passarinhos cantarem! É isso aí, o Muse oferece um feedback instantâneo ao meditador – leia aqui um artigo que conta como o Muse funciona. Em suma, quanto “mais profunda” a sua meditação, mais os passarinhos cantam. Em contrapartida, quanto “menos profunda” maior o barulho de fundo, no meu caso, o do vento.

Também me senti como um cachorro correndo atrás do rabo. A cada canto de passarinho, inevitável e automaticamente eu pensava – “eba, estou meditando”, consequentemente saindo do “estado meditativo”. E dá-lhe ventania! Assim, na primeira tentativa, tive uma desoladora sensação de ter corrido atrás do rabo o tempo todo, mas fui supreendida pelo resultado apresentando no app que dizia que eu havia meditado 66% do período.

Ao todo foram 4 meditações, com desempenho variando de 44% a 72%, e eu sinceramente não consegui identificar o que eu havia feito de certo no dia dos 72% ou de errado, no dia dos 44%.

Meu melhor desempenho.

Na gloriosa manhã dos 72% (um domingo, por sinal), quando os pássaros cantaram quase o tempo topo, fiquei com a suspeita de que eles cantavam mais intensamente quando minha mente estava bela, faceira e calmamente focada em alguma narrativa (o que, em tese, é o oposto de meditar). E, quando no processo de desapegar dos pensamentos, eles se calavam. Fiquei confusa.

Por fim, achei que o Muse me tirou daquilo que seria o objetivo primordial da meditação, a ‘observação sem apego‘ dos pensamentos. Nas quatro tentativas, apesar de mais focada e com menos pensamentos aleatórios, fiquei praticamente obcecada em ‘fazer’ passarinho cantar.

A experiência foi divertida – percebi que minha meditação não é de todo uma farsa -, mas devolvi o Muse sabendo que não é para mim.

Antes de escrever este post fui atrás de outros reviews e informações sobre o Muse (que aliás, está no mercado desde 2014) e, além do primeiro link compartilhado acima, encontrei uma matéria do The Wall Street Journal muito bacana (e bem mais profunda que a minha breve experiência) que termina com a seguinte aspas do professor e doutor Richard Davidson, um dos grades pesquisadores da meditação:

“A raiz da palavra ‘meditação’ em sânscrito significa ‘familiarização’, familiarização de um indivíduo com a natureza da sua mente. Quando nos focamos em sinais externos, estamos nos distraindo da capacidade de reconhecer determinadas características da nossa mente. O uso de biofeedbacks para quem quer começar a praticar meditação, pode ser mais prejudicial do que útil.”

Pois é… então bora meditar que não tem almoço grátis por aqui também não.

Veja comentários

Deixe uma resposta

Vá para cima