Cristina Cipolla

É permitido viver plenamente (mesmo aos 90)