Lendo agora
Samaúma – Por Daniela Alvares Leite

Samaúma – Por Daniela Alvares Leite

Nowmastê

samauma

Só quem a ama entra com cuidado e reverência na floresta, respeitando cada passo, sorvendo da trilha que leva até ela.

No caminho a beleza se revela nas folhas deixadas no chão, nas esculturas feitas pelas cigarras, nas sementes que abrigam os vaga-lumes, no cantar dos pássaros de lá. Devagar aprendemos e caminhamos.

A cada passo compreendemos mais e mais a beleza da floresta, narrada pelos guardiões desse templo no qual escolheu sua morada.

Quem carrega no peito esse amor pode entender a ansiedade infantil e o brilho no olhar desse encontro mágico.

Assim chegamos ao seu encontro, árvore avatar, guardiã dos saberes. Suas raízes se entrelaçam e se conectam formando uma onda de luz e amor no planeta.

Eterna em seus 300, 600, mil anos de esplendor. Raízes fortes e copa alta, que de cima tudo observa. Em harmonia e comunhão com os que habitam consigo.

Árvore generosa que ao morrer se quebra em pedaços, permitindo que sua grandiosidade se integre com a mãe terra para que outras possam nascer, e bem simples se vai, sem deixar rastros da magnitude.

Silenciamos nela, em um uníssono penetramos em suas raízes e nos conectamos com a força da mãe divina.

Nos reconhecemos, nos perdoamos, nos reconfortamos e nos resignamos diante de seu poder, de sua luz. Assim deixamos que seus ensinamentos nos penetrem calmamente.

Árvore linda que chega na vida em um caleidoscópio, pousando de paraquedas onde resolve brotar. Mãe de todas as mães. Nela firmo meus propósitos e canto diante de seu poder.

Samaúma, ao contrário amuamas, eu amo, tu amas.

Dani Leite

*Dani Leite, pesquisadora de sensações, sempre em busca de algo que conecte à natureza, à alma humana e ao infinito. insta: @dleite. FB: Daniela Alvares Leite

Fotos: Claudia Mano

Vá para cima