Quem é você amanhã?

Por Ana Matos*

Quanto aos homens,

não é o que eles são o que me interessa,

mas o que eles podem se tornar.

(Jean Paul Sartre)

Photo via Visualhunt
Photo via Visualhunt

As pessoas fogem de si mesmas, perdem-se no meio da multidão, afundam-se nas preocupações do dia a dia, na rotina, e quando olham para si não veem nada, não sabem dizer o que buscam para si mesmas. Desde muito cedo somos questionados sobre o que queremos ser quando crescermos e não somos incentivados, estimulados a nos conhecer. Vivemos numa sociedade que nos afasta de nós mesmos. Sociedade essa criada por nós – homens e mulheres. A luta pela sobrevivência neste mundo caótico não nos deixa muito tempo para pararmos para pensar se, de fato, queremos fazer parte disso. Simplesmente vamos seguindo conforme o que nos foi preestabelecido pela cultura, pela religião, pelos padrões, pela tradição etc.

Em grandes linhas, fomos criados para ter uma profissão, casar, ter filhos, netos, nos aposentar e esperar a morte chegar. Porém, há algum tempo essa forma de se construir vem sendo questionada, quebrada e reconstruída por alguns. Quebrar paradigmas, destruir para poder reconstruir, faz com que o sentimento de “falta de chão”, de desorientação venha à tona. É natural que neste processo de reconstrução, principalmente se o caminho for oposto ao “imposto” socialmente, haja momentos de vazio, de solidão, de angústia, de querer voltar atrás e se abandonar novamente.

De fato, constatamos diariamente que o homem nasce livre, e por toda parte encontra-se acorrentado, como disse Jean Jacques Rousseau. Somos livres para escolher como dar forma a nós mesmos, embora tenhamos de aceitar algumas limitações sociais. No entanto, dentro do âmbito das escolhas realistas, com frequência, descobrimos que quando coagidos, tomamos decisões baseadas no hábito ou na visão habitual que temos de nós mesmos. Não nos permitimos “olhar de cima”, “a pensar fora da caixa”.

Segundo Jean Paul Sartre, filósofo existencialista, a escolha do que queremos nos tornar está em nossas mãos, somos seres compelidos a determinar um propósito para as nossas vidas, seja ele afetivo, social, pessoal… afinal, dentro da filosofia existencialista, não existe um poder divino que prescreve esse propósito, devemos definir a nós mesmos.

Definir a nós mesmos não é apenas uma questão de ser capaz de dizer o que somos como seres humanos. Em vez disso, é uma questão de assumirmos a forma de qualquer tipo de ser que escolhemos nos tornar. No entanto, escolher um caminho para ser o que queremos ser significa abrir mão de todos os outros caminhos. Qualquer escolha que façamos vem acompanhada da perda.

A perda faz parte da nossa construção, do nosso projeto de ser. Essas perdas é que nos tiram da nossa zona de conforto. Elas nos fazem enxergar além do nosso próprio umbigo. A perda nos traz aprendizado. É a oportunidade que temos para ganhar o amadurecimento, para nos descobrirmos, para nos conhecermos, para encararmos de frente quem somos e projetarmos o que queremos ser amanhã.

Ana Matos

Sobre Ana Matos

Coach para empoderamento e resgate do feminino, feminista, terapeuta psicanalista integrativa, filósofa e escritora. Tenho experiência de mais de 10 anos em atendimento terapêutico e coaching de carreira. Atuo com questões de relacionamentos afetivos, empoderamento e resgate do feminino, conflitos existenciais, ansiedade, autoconhecimento, perdas, carreira, entre outras. Me interesso e estudo o comportamento humano há 25 anos, dedica-me ao estudo da filosofia, à teoria psicanalítica, à terapia cognitiva, a filosofia budista e ao existencialismo. Escrevi o livro – O caminho para o inevitável encontro consigo mesmo. Criei o método Personal Soul Care – uma abordagem flexível, focada na pessoa, no momento e na sua história. Possuo um Grupo de Estudo de Empoderamento e Resgate do Feminino. Realizo workshops e vivências sobre Empoderamento e Resgate do Universo Feminino.

Siga-me no Instagram: anamatoscoach

Curta e me acompanhe nas fan pages: You change coaching / Coaching e Empoderamento Feminino

Para agendar uma sessão online ou presencial envie um e-mail para [email protected]

 

Um Comentário

  1. ascensao silva diz:

    No meu caso, não foi minha escolha, nem pouco mais nem menos, a vida bateu-me de frente e com grande estrondo…mostrando como ” não se faz “…pois bem, aproveitei a onda e segui outro rumo mais condizente comigo, mais assertivo, mais ” fora da caixa “…e não é que assim, é que me sinto voltar a viver, a viver na verdadeira essência da palavra…mais com menos…quem diria ? Gostei da abordagem ao tema. Nem que seja para validar a minha ” escolha “…Abraço

Deixe uma resposta

Por uma vida mais consciente

Você quer receber as novidades e promoções do Nowmastê no seu e-mail?