Prosperidade dentro do caminho espiritual

Por Daniela Mattos*

Muita gente quer alcançar a prosperidade, ter dinheiro para comprar coisas, fazer viagens e manter um certo estilo de vida. Já outros acreditam que ter uma vida espiritual e ter dinheiro não se encaixam. A prosperidade material para muita gente não está em linha com o caminho espiritual, assim, se você escolheu um caminho espiritual, você não deveria ter bens materiais.

Quero propor um jeito diferente de ver isso.

A sociedade ocidental está extremamente materialista. Quando cheguei nos EUA, no ano 2000, fiquei assustada como os estadunidenses eram focados em bens materiais, só pensando em dinheiro e em quanto as coisas custavam. Hoje, em 2019, vejo a sociedade brasileira tão materialista quanto a estadunidense. Todos querem marcas famosas, status, luxo. Não há nada de errado em querer essas coisas, mas temos que perceber dois pontos importantes: Por que nós queremos essas coisas?  O que esses bens materiais representam?

Em Yoga, nós acreditamos que todos os seres vivos, desde os organismos mais simples até os seres humanos, buscam a felicidade. Tudo que fazemos nas nossas vidas, de uma forma ou outra, está ligado a essa busca. Ou seja, queremos esses produtos porque, de uma certa forma, eles nos fazem felizes. Achamos que ter dinheiro, para poder ‘comprar’ um bom estilo de vida, segurança, saúde nos trará felicidade. Acreditamos que os bens materiais representam a felicidade, mas ao final de uma longa caminhada, muitos descobrem que as “coisas” não preenchem o vazio dentro de nós.

E aí percebemos que muita gente, hoje em dia, não sabe preencher esse vazio que aos poucos se torna uma tristeza profunda. Afinal, jovens e profissionais escolhem suas carreiras baseados nas perspectivas econômicas e poder de compra que cada carreira oferece. E mesmo aqueles que escolhem porque tem uma afinidade com a profissão, após um tempo também acabam achando que a felicidade, ou parte dela, está no que a carreira irá proporcionar economicamente, pois a sociedade em geral pensa assim.

Infelizmente foi assim que a nossa sociedade se desenvolveu e eu não vim aqui apontar dedos, mesmo porque eu também pensei assim até pouco tempo atrás. Hoje, eu quero dividir com você a maneira que eu entendo prosperidade e felicidade baseados nos meus aprendizados em Kundalini Yoga.

No Yoga, a juventude é o período que deveríamos trabalhar a nossa mente, para treiná-la para ser nosso servente, não o nosso mestre, e assim nos ajudar a descobrir o nosso DHARMA. Dharma é uma palavra em sanskrit que significa, nesse contexto, propósito de vida. Dharma é o caminho que a nossa alma escolheu para essa vida. Uma vez encontrando o nosso propósito e construindo a vida para servir esse propósito, a vida irá fluir junto com o universo. Todos nós temos propósitos variados, mas todos eles têm uma coisa em comum bem simples: SERVIR. Estamos aqui porque viemos servir algum ser vivo ou alguma causa. Cada um vai fazer isso de maneira diferente, mas todos nós viemos aqui para servir uns aos outros.

Uma vez descobrindo o teu dharma, a prosperidade (em sânscrito artha) aparecerá. Ela virá para te ajudar a cumprir o teu propósito, ou seja, estamos falando de prosperidade financeira, se for parte do teu caminho, mas também prosperidade em outros aspectos da vida. O universo quer que você seja feliz, até mais do que você mesmo. Ele quer te ajudar a cumprir o seu dharma. Ele quer que você cumpra a missão que a teu EU SUPERIOR preparou. Você precisa claro, trabalhar, educar tua mente, para que ela te sirva nesse caminho. Pois caso a mente se torne o teu mestre, o teu ego irá te atrapalhar com medos e dúvidas. Nesse caminho, no teu dharma, você tem que ser guiado pela ALMA, e é aí que a prática espiritual diária (Sadhana) de Kundalini Yoga e meditação fará toda a diferença.

A pratica diária espiritual é a chave para encontrar a sua felicidade. Mas se você não ainda não tem uma, não se assuste, até os 35 anos eu também não tinha. E uma prática espiritual pode começar com 3 minutos por dia, ao invés de olhar Facebook ou Instagram, você faz uma mini Sadhana antes de dormir. A chave para que você encontre propósito e prosperidade é ser consistente. Você precisa limpar o subconsciente da mente o suficiente para conseguir escutar a sua alma. Isso apresentará desafios com certeza, mas praticando consistentemente, você descobrirá e experienciará uma realidade que antes você não acreditaria ser possível.

Uma vez você seguindo o seu dharma, receberá do universo a artha, que vai além da prosperidade financeira. A não ser que o seu Dharma seja que você vire um monge num templo ou um sage num ashram, você terá a prosperidade finaceira e também desfrutará os prazeres da vida ou em sânscrito kama, que o seu dharma oferece.

Finalmente, no final dessa jornada está a libertação espiritual, ou em sânscrito, chamado moksha. Você atinge o moksha quando você morre e está livre da ilusão que vivemos. A ilusão nesse caso é de que cada um de nós é um indivíduo e não parte de todo o Universo. A maioria de nós não gosta de pensar sobre a morte. Na nossa sociedade ignoramos ao máximo a ideia de que todos nós vamos morrer. Ignoramos por tanto tempo, que quando nos damos conta que somos seres mortais, descobrimos que não vivemos de verdade. Se todos os dias nós vivermos de forma consciente, como se fosse o último dia, faremos cada dia valer a pena. Por isso sempre tento me lembrar que a principal razão de se fazer Yoga é para que eu saiba dar a minha última respiração, pois somente assim aprenderei a viver de verdade.

Um abraço apertado!

Sat Nam!

Daniela Mattos

Amrita Deva Kaur

Deixe uma resposta

Por uma vida mais consciente

Você quer receber as novidades e promoções do Nowmastê no seu e-mail?