Lendo agora
Por que parei de assistir televisão

Por que parei de assistir televisão

Nowmastê

e de ler o jornal e acompanhar as notícias…

televisão

Por Gustavo Tanaka*

Eu não tenho mais televisão em casa. Não assino jornal e também não ouço notícias no rádio. No começo eu achei que não fosse aguentar. Achei que não fosse possível. “Será que vou ficar alienado?” Era o pensamento que me ocorria na época.

Hoje posso falar com convicção que foi uma das melhores escolhas que fiz na minha vida. Eu não perdi absolutamente nada e ganhei incrivelmente muito. Em algum lugar do passado, começamos a receber as notícias do que estava acontecendo no mundo. Acho que desde que o mundo é mundo, as pessoas querem informações. Querem saber o que acontece do lado de lá. De onde nossos olhos não conseguem mais enxergar.

Então as pessoas começavam a trazer notícias. E depois as pessoas começavam a espalhar as notícias. E então surgiram os veículos de comunicação. E por trás desses veículos de comunicação, tinha algumas pessoas escolhendo que informação era mais relevante. Talvez no começo elas tivessem compromisso com a sociedade em mostrar o que era de fato mais importante. Mas depois elas começaram a ver que as pessoas prestam mais atenção às notícias ruins.

Nosso cérebro é programado para ficar mais atento a coisas que nos colocam em perigo do que em coisas que nos deixam felizes.

Acho que é uma forma de auto-defesa. Se você estiver observando uma bela flor no campo e aparecer uma cobra, você precisa prestar mais atenção à cobra para poder sobreviver. E acho que esses caras da mídia entenderam isso. E começaram a vender mais. Eu não sou diferente. Eu também quero saber o que está acontecendo. Mas eu quero saber o que está acontecendo de verdade.

A comunicação mudou. Hoje tem internet. Temos mais opções. Podemos escolher o que ler. Então decidi parar de assistir televisão, ler jornal, ouvir rádio. E minha vida melhorou. Para aqueles que vão me criticar, explico aqui o que aconteceu, respondendo as perguntas que mais me fazem.

1- Você não sabe o que está acontecendo no mundo?

Sei sim.

Eu não preciso receber as notícias pela mídia. Quando um assunto começa a ficar importante, as pessoas falam mais pelo Facebook e meus amigos falam quando eu os encontro, vez ou outra ou uma zapeada nos portais de conteúdo. Eu nunca fico totalmente por fora.

E quando eu quero saber mais sobre o assunto, eu aí sim acesso um site de mídia e busco as informações para saber mais detalhes.

2- Se você não assiste televisão, não lê jornal e não ouve rádio, o que você faz?

Eu faço todo o resto. Tenho mais tempo para ler livros, para meditar, para ficar tranquilo em casa, para ouvir música (prestando atenção nela de verdade), para conversar com pessoas que gosto, para ler informações sobre assuntos que me interessam, para ver documentários incríveis que estão na internet, mas não passam na TV, nem mesmo no Netflix.

3- Mas você acaba vivendo numa bolha.

Talvez. Mas talvez quem me diz isso também vive e nem percebe.

Se você parte do princípio de que você cria sua realidade e que aquilo que você pensa sobre o mundo é o seu mundo, então na verdade, estou apenas criando meu mundo da forma como o desejo.

4- Você não se prepara para o que está por vir

Eu me preparo para o que está por vir controlando a minha frequência. Isso é praticamente tudo o que preciso fazer.

A mídia planta o medo. Você liga a televisão no noticiário e sua frequência cai automaticamente. Você começa a vibrar mais baixo. Você vibra no medo.

(o que é frequência e o que é medo? Entra no meu canal do Youtube que eu compartilhei uns videos falando sobre isso)

5- E o que você ganha com isso? Por que sua vida ficou melhor?

Eu consigo acreditar num mundo melhor. Eu consigo continuar acreditando nos seres humanos. Eu consigo pensar em formas de criar empresas que não replicam os mesmos padrões. Eu consigo espaço para imaginar um mundo diferente.

E se você, como eu, acredita que tudo começa na imaginação, que tudo começa com um sonho, então já tem ideia do que pode vir disso.

6- E o que você está fazendo para criar esse mundo incrível que você imagina?

Não estou somente sonhando e viajando. Estou trabalhando. E muito.

E não estou trabalhado apenas para que a minha vida fique melhor e mais confortável. Estou trabalhando para que a gente consiga criar um movimento tão grande que faça ficar melhor as vidas de quem não teve a mesma sorte que eu e você.

E eu sei que não sou o único. Tem tanta gente boa, tanta gente incrível fazendo trabalhos especiais. Eu estou começando a conhecer essas pessoas. Estou me conectando a todas elas.

Há muita coisa rolando. Nos próximos textos vou começar a compartilhar o conceito de nova organização que estou cocriando com uns amigos que também sonham e que também acreditam que há algo de grandioso acontecendo no mundo.

Gustavo Tanaka O que leva um executivo a largar uma carreira promissora em empresa multinacional, largar diferentes empreendimentos e seguir um chamado do coração? Gustavo Tanaka revela em seu primeiro livro “11 Dias de Despertar – Uma Jornada de Libertação do Medo” como esse processo de busca por propósito que já durava alguns anos o levou a ter as respostas que sempre procurou. O autor compartilha conosco sua jornada, quando chegou a um limite pessoal, pediu ajuda e, repentinamente, passou a formular perguntas e ter respostas imediatas de uma Fonte superior, levando-o ao que ele designa “meu” processo de despertar.

Facebook.

Veja comentários (7)
  • Excelente texto, Gustavo! Penso da mesma forma: estou farta de assistir noticias ruins, de crise, de problemas. De tudo o que passa no jornal, da pra contar no dedo de uma mão quantas noticias são positivas. Também abri mão do jornal, chega de vibração negativa!

    Abraço!

  • Eu também já fiz a mesma coisa há muito tempo. Primeiro eu comecei deixando de assistir novelas, porque achei que é uma mediocridade muito grande marcar compromisso com a televisão; todos os dias no mesmo horário ter que estar em casa disponível para assistir mais um capítulo da novela, sendo que quando se lê um livro em menos de uma semana já se sabe toda a história. Depois eu cansei de tanta manipulação, ou seja, eles passam as notícias da forma que eles querem que acreditemos e não como realmente são os fatos. Os programas humorísticos pendem muito para a imoralidade. Daí cheguei a conclusão que assistir televisão é comer resto de lata de lixo, ou seja, todo lixo mental que as pessoas têm na cabeça, são jogados na televisão em forma de programas. Já o rádio eu nunca ouvi, porque uma vez ele não possui imagem nós sempre fazemos uma outra atividade enquanto o rádio está ligado, aí eu presto atenção no que estou fazendo e esqueço de prestar atenção no rádio, ele fica ligado à toa.

Deixe uma resposta

Vá para cima