Frescor para a alma

Por Fernanda Nogueira*

Depois de um dia de serviço no templo, ficamos ali em volta e sempre conhecemos alguém ou conversamos com um conhecido, a energia dos devotos é muito boa. Sempre tem chá e cookies que a Nina (minha filha menor) sempre faz questão de provar. Geralmente saindo de lá fazemos um brunch.

Um dos programas preferidos da família é o Farmer’s Market, que fica na Paul Ecke Central, PEC, que é a escola pública incrível em que meus filhos estudam. Ambiente ótimo, muitos alimentos frescos e orgânicos, direto da fazenda. Tem uma parte da feira só de barraquinhas pra comer, uma mais gostosa que a outra: comemos sanduíche orgânico de cogumelos e queijo de cabra, crepe de salmão defumado, crepe de Nutella, as melhores batatas fitas da região (olha que a concorrência nesse assunto é grande por aqui), um belo sanduíche de linguiça e depois pra fechar uns doces franceses incríveis. Vegan e gluten free.

Mais um domingo e o tema tratado pelo monge foi a importância dos hábitos. Eles guiam nossa rotina, que é basicamente o script de como vivemos nossa vida nesse plano. Bons hábitos são aqueles que nos impulsionam ao nosso objetivo em forma de escada, cada dia um degrauzinho a mais. Maus hábitos nos escravizam, nos fazem perder os dias com repetições que não levam a lugar nenhum. Quanto mais fortalecemos o hábito, mais sentimos os efeitos da sua força, para ambos os lados. O hábito da meditação faz parte da realização do Sadhana – nosso caminho espiritual. Ele marca a presença de Deus na vida sem que a gente se perca nas tarefas e conveniências. Quanto mais você se entrega, mais você recebe, quanto mais alegria, mais vontade de sentir essa alegria de novo, como um ciclo.

Deus está aí, essa abundância de amor, perdão, compaixão, sabedoria, onipresença. Realmente, é só olhar pra perfeição no funcionamento do ser humano e de todos os seres. Alguém precisa de uma prova maior que o Universo em si? Enfim, eu não. Ainda bem. Então eu converso muito com Deus, falo, agradeço, abençôo, peço a benção. Compartilho, comungo. Tento ver Deus em cada olhar, em cada brilho, em cada um. Sorrio, muito, para as pessoas na rua. Poderia chamar de um bom hábito. Aprendi a abençoar as pessoas internamente. Quando estamos em sintonia, a abundância permite que a gente compartilhe com todos a nossa volta. Isso faz uma diferença na vida!

fe

*Fernanda é psicóloga, professora de yoga e empresária. Co-fundadora e coordenadora durante 7 anos do Palavra de Bebê, programa do Instituto Fazendo História dedicado a pesquisas e estudos que visam aprimorar o acolhimento institucional na primeira infância. Co-fundadora do Yogando com crianças, programa dedicado a aproximar yoga e educação. Co-fundadora do Bazar DaPraça, evento que reúne artistas, designers  e artesãos duas vezes por ano há mais de dez anos em São Paulo. Atualmente, Fernanda vive um período sabático na California com seu marido e seus filhos.

 

Veja outras matérias da coluna da Fernanda clicando aqui e aqui 

Deixe uma resposta

Por uma vida mais consciente

Você quer receber as novidades e promoções do Nowmastê no seu e-mail?