Olhos de boneca e hortênsias

Cíntia Maia Beppler*

Photo via VisualHunt

Os olhos de boneca são as minhas flores preferidas, desde a época em que eu ainda não entendia o calendário e eram elas que me avisavam que estava chegando o meu aniversário e o do meu avô. Até hoje, quando elas se abrem, eu agradeço à Deus por mais um ano de vida e, quando elas se vão, eu sinto o aroma pela última vez e peço que no próximo ano eu possa encontrá-las novamente.

Eu estava triste por que elas haviam partido, esse ano já estava encerrado o tempo delas. Mas hoje, quando saí pra caminhar, vi que as hortênsias estão surgindo em seu azul sem igual e fiquei feliz, muito feliz. E foi assim que comecei a perceber que o aroma das laranjeiras deu lugar para aquela árvore que começa a trazer o cheirinho de natal. E que, enquanto as últimas ameixas caem do pé, posso começar a colher as amorinhas silvestres. Além disso, na parreira de uva surgem os primeiros cachinhos que vão nos suprir lá no fim de dezembro.

Sempre tem uma flor que eu amo! Um aroma adorável! Uma fruta deliciosa! É, talvez, a gente tenha se distanciado da certeza da abundância quando nos apartamos da natureza. Mas a ideia da escassez não faz sentido quando observamos o fluxo da Natureza. Nela, sempre que algo que adoramos termina, outra coisa que gostamos está surgindo. Sempre tem. Nunca acaba.

E assim é com a vida de quem se integra, de quem vê a terra como mãe e a si mesmo como parte. Respeitando os ciclos, entendendo o tempo, optando pelo mais natural, andando na terra. A própria vida volta a fazer parte do fluxo, as coisas andam e a abundância vem.

Manter a mente em gratidão, em contentamento por esse suprimento já é ser feliz e atrai cada vez mais felicidade. Sempre se perguntando: o que mais é possível? Observando a natureza a resposta é fácil. Tudo é possível e perfeito. Para quem tem Jesus como mestre, assim como eu, fica ainda mais fácil porque nos seus evangelhos diz: “Porque, para mim, nada é impossível”. E ainda, “Eu vim para que vocês tenham vida e a tenham em abundância”.

A abundância é o que há! E se conectar com ela parece ser mais fácil e natural do que se imagina. Vamos admirar as hortênsias e aguardar a volta dos olhos de boneca!

*Cíntia Beppler, mãe, turismóloga, praticante de Barras de Access, viu no autoconhecimento a chance de rever seus medos e bloqueios, de equilibrar a vida profissional com os filhos e de tornar-se um ser humano em aperfeiçoamento. Tem o propósito de que o autoconhecimento seja acessível à todos, principalmente às crianças.

[email protected]

Deixe uma resposta

Por uma vida mais consciente

Você quer receber as novidades e promoções do Nowmastê no seu e-mail?