Lendo agora
Meu tapetinho

Meu tapetinho

Priscila D'addio

E o meu tapetinho…..

Item básico e quase indispensável para uma prática de yoga, o mat ou tapete de yoga se tornou um divã, amigo, confessionário e, ao mesmo tempo, o único que contempla com você a alegria e a satisfação de uma prática de yoga. Aquele Savasana – postura final de relaxamento ao término da aula – renovador, dividido com o SEU MAT tem valor único e especial. E ao olhar para o mat, em casa, no carro, mesmo enrolado, é possível sentir aquela alegria, sensação de bem-estar e a vontade de praticar novamente.

Ao olhar somente para a funcionalidade do seu mat, além de proteger da friagem do chão, protege seus joelhos e cotovelos, e delimita seu espaço físico para a prática. Ele, de verdade, pode reduzir o risco de acidentes – escorregar e esfolar a pele – e permite que mãos e pés tenham uma tração firme e estável, ou seja, Hasta e Pada Bandha enraizados, garantem além da execução mais segura das posturas, a ativação melhorada do SNC – Sistema Nervoso Central.

Ao falar sobre higiene – Saucha, um dos Nyamas do Yoga – observâncias conhecidas como conduta disciplinar, ter SEU PRÓPRIO MAT e cuidar da higiene dele, deveria fazer parte da sua rotina pessoal de limpeza do físico, roupas, energia, pensamentos e, por que não, do seu instrumento de prática? Você já pensou o que o seu corpo libera ou elimina durante uma aula? Suor, cabelo, pele e energia….. boa parte do seu corpo tem bactérias )cerca de 3kg do nosso corpo), bem, por mais que os tapetes num estúdio ou escola são limpos, não é possível garantir a eliminação de germes e ácaros.

Ao pensar sobre a energia, as práticas que você fez e faz rotineiramente, ficam e ficarão impressas no seu tapetinho, e mais tarde quando novamente você estiver praticando no seu mat, essa energia vai ajudar na condução da sua prática pessoal, sem que você perceba.

Quando o Yoga bate no coração e na alma, e não conseguimos mais viver sem praticar – e não somente a prática de ásanas, mas sim o Yoga além do tapetinho, quando nosso modo de olhar a vida, de nos olhar é mudado, transformado, pela conexão com a nossa essência -, ter um tapetinho próprio também alegra o coração, nos realinha com a nossa energia, faz parte do ritual da nossa hora dedicada a nós mesmos, ajudando a melhorar a nossa auto-estima e autocuidado. Quem tem o seu, sabe do que estou falando! Feliz MAT pra você!

Veja comentários

Deixe uma resposta

Vá para cima