Lendo agora
Eu, tu, ele…

Eu, tu, ele…

Avatar

Por Daniela Vianello*

f5c9e901adebdb5d62e952cf01f6f288

As relações que criamos com as pessoas significam muito mais do que imaginamos… elas são grandes oportunidades que temos de crescer, de abrir a mente, de exercitar virtudes como o respeito, a humildade, a aceitação.

Num geral, ninguém quer abrir mão de ter razão, de ganhar uma conversa, de mostrar que sabe mais ou pode mais… e nesse clima de competição, acabamos procurando nos relacionar apenas com aqueles que falam a nossa língua, que acatam nossas verdades.

Mas, (claro, há sempre um MAS) nos comportando dessa maneira, perdemos muitas chances de uma vida mais excitante e completa: se fecharmos muito o círculo, o fim da estrada pode ser sonso e solitário.

Agora, se circularmos – com respeito – por todas as tribos, de peito aberto e mantendo nossa identidade – estaremos abrindo portas para o novo, para o inédito, para conhecer outros pontos de vista, visitar novos conceitos, se aventurar em novas ideias e, ainda, como eu disse antes, exercitar o respeito, a humildade e a aceitação.

Em tempos de se fechar no conhecido e afastar o diferente, nadar contra a maré parece ser uma escolha inteligente, divertida e que proporciona crescimento. Relacionar-se é uma das grandes razões da existência, uma das tarefas mais importantes para os seres humanos… Bora lá?

Como disse Audre Lorde, escritora, poeta e ativista norte-americana, “Não são as nossas diferenças que nos dividem. É a nossa incapacidade de reconhecer, aceitar e celebrar essas diferenças.”

Daniela Vianello

*Daniela é buscadora. Coach de Saúde Integrativa pela IIN/NY, pratica Yoga, estudou Metafísica e Física Quântica, Alimentação Consciente, Mandalas, Leitura de Cartas e é Reikiana. Adora escrever e explorar o universo do comportamento humano. Contato: [email protected]

 

Veja comentários

Deixe uma resposta

Vá para cima