Lendo agora
Está Vivo ou Morto?

Está Vivo ou Morto?

Nowmastê

Por Carol Lefèvre*

vivo-ou-morto

Conto Zen: Vivo ou Morto? por Aoi Kuwan

Mestre Dogo e seu discípulo Zangen participavam de uma cerimônia fúnebre. Estavam preparando o altar, as velas, o incenso no ataúde, quando, súbito, Zangen bateu no caixão e perguntou ao mestre:

“Isto está vivo ou morto?”
“Não posso dizê-lo” – respondeu mestre Dogo.
Zangen, então, o ameaçou:
“Se não me responderdes, mestre, eu baterei em você”.
O discípulo era forte e o velho mestre, muito gentil, era bom.
“Concordo, Zangen! Bate-me. Mas, seja como for, vivo ou morto, não posso dizer”.

***

Esse koan (conto zen) tem me acompanhado enquanto visito as terras dos Mayas e Aztecas com suas pirâmides e costumes ancestrais.

Afinal, as culturas pré-hispânicas estão vivas ou mortas?

Uma ruína pode ser uma cidade morta, mas tem uma outra vida que surge nesse espaço. Está bem viva, cheia de pessoas que vem visitar, que trabalham na sua manutenção ou vendem artesanato. Também uma parte mais sutil se mantém presente, podemos admirar o conhecimento astronômico dos mayas e o seu conhecimento construtivo.

Se olharmos os números, sabemos que um grande número de indígenas morreram com chegada dos espanhóis. Mas se vemos a população local, os traços mostram sua presença.

Também aspectos da cultura e da religião continuam vivos. Perto de San Cristóbal de las Casa, os pueblos de Chamula e Zicacandan tem suas igrejas re-convertidas às suas práticas espirituais. Em Chamula, curandeiros trazem galinhas e ovos para os seus rituais. O interessante é que nas igrejas se mantém os santos católicos. Em Zinacantan eles estão vestidos como as pessoas do povoado.

Nascimento, vida e morte, processo incessante, de uma pessoa ou uma cultura.

Está vivo ou morto? Como vivemos essa questão? O medo da morte, o sofrimento da morte. Mas o que morre? E o que vive?

Fica aqui a questão.

Carol

*Carol Enguetsu Lefèvre esteve por alguns meses entre 2014 e 2015 em San Francisco Zen Center e depois partiu para o México, dessa vez para a Oaxaca. E vem vindo na direção do Brasil, mas sem data de regresso e aberta para as oportunidades que surgirem pelo caminho.

Veja comentários

Deixe uma resposta

Vá para cima