Lendo agora
Espaço Vajra – alunos agora pagam quanto podem

Espaço Vajra – alunos agora pagam quanto podem

Nowmastê

Por Giuliano Nucci*

o-vajra-e-para-todos-3

A partir de agora, os alunos pagarão o valor que escolherem por nossas mensalidades, trabalhando a autorresponsabilidade.

Estamos vivendo um período de crise planetária e, de forma geral, nos encontramos fragmentados, desunidos e distantes das consequências das nossas decisões. Entendo ser este, porém, um momento bastante significativo e auspicioso para a humanidade, de intensas transformações em que estamos tendo a chance de rever equívocos, acordar valores fundamentais, nos fortalecer e construirmos novas formas de conviver. Nestes novos tempos, cada vez mais perdem espaço os antigos sistemas frios, rígidos, impessoais e hierárquicos, dando lugar a modelos mais participativos, horizontais e coconstruídos, que valorizam o poder de escolha.

Neste contexto nós, do Espaço Vajra, a fim de contribuirmos para uma mudança de paradigma, escolhemos experimentar um novo modelo econômico de troca/custeio de nossas atividades regulares. Neste modelo, que chamamos de “contribuição consciente” o aluno escolhe o valor com o qual irá contribuir para o custeio do espaço, funcionários e pagamento dos instrutores.

O objetivo é fomentar os valores que queremos fortalecer, a saber: a construção de comunidade, a autorresponsabilidade, a honestidade, o protagonismo e a coconstrução de modelos sociais mais justos, a acessibilidade, as dinâmicas de apoio, parceria, cooperação, o poder de escolha e a ampliação da consciência.

Nós apresentamos sugestões de valores que servem como referências para a escolha da contribuição a ser feita, conforme os critérios individuais, tais como: sua condição financeira atual, a importância dos benefícios que recebe com as práticas, em que e quanto a pessoa coloca/investe essa energia financeira em determinada atividade, o que ela quer ver expandir e que valores isso representa para ela. Tais sugestões, no entanto, não são impositivas, podendo o aluno optar por um outro valor ou alguma outra proposta de troca.

Como o próprio nome sugere, a “contribuição consciente” requer (e tende a trazer) mais consciência para este processo. Uma das intenções da proposta é sair do automático, da mecanicidade, do condicionamento profundo de se pagar pelo que se está recebendo na forma de um valor fixo, da ideia de que algo é “caro ou barato”, da decisão a partir do “tenho o dinheiro ou não tenho”, “isso é justo ou injusto”, da relação de “ganha x perde” e de barganha, na qual pretendemos conseguir o que queremos pelo menor valor possível. Visamos assim a não seguir reproduzindo os jogos de acusação e vitimismo e as dinâmicas de dominação, controle e de mau uso do poder estrutural e dos recursos materiais e imateriais.

Vemos esta forma de contribuição como um bom desafio a todos, já que cada um é convidado a fazer uma reflexão e buscar o valor dentro de si e compreender melhor tudo que está envolvido nessa transação. Os alunos têm uma oportunidade de se autorresponsabilizarem pelo que oferecem em troca do que recebem e assim podem avaliar se há equilíbrio, justiça, e se estão sendo honestos – especialmente consigo mesmos. E também por parte do espaço trabalhamos a coragem, confiança, firmeza nos valores norteadores, bem como a comunicação, a autoavaliação e o aprimoramento constantes.

Entendemos que enfrentamos o desafio de manter o equilíbrio nas relações, nas leis do pagamento e da troca, não alimentar acomodação, inércia e parasitismo. Confrontaremos, também, crenças e valores bastante arraigados, heranças, aprendizados, feridas, dificuldades e negações a respeito do dinheiro. E, também, como atuamos e respeitamos o que existe agora e ao mesmo tempo trabalhamos para a desconstrução do que não está mais nos atendendo, sem sermos excessivamente disruptivos.

Desta forma, buscamos receber contribuições cada vez mais verdadeiras, que venham do coração e, assim, gerar relações mais íntegras e saudáveis.

Enxergamos a contribuição consciente como uma oportunidade para iluminar este quadrante, abrir as portas para a prosperidade e abundância e nos harmonizar com essa frequência, para que cada vez mais pessoas possam colocar esta energia do dinheiro em movimento, numa orientação positiva.

giuliano-nucci-vajra

*Giuliano Nucci é instrutor de hatha yoga contemporâneo, meditação e terapeuta (Massagem Thai e Ayurvedica). Desde 2008 é gestor do Espaço Vajra (www.vajra.com.br)

Endereço

Rua Pelotas, 302F – Vila Mariana – São Paulo – SP
(Próximo ao Sesc Vila Mariana. Estações de metrô: Ana Rosa e Paraíso)

(11) 2359-8386
[email protected]

Veja comentários

Deixe uma resposta

Vá para cima