Lendo agora
Embriagado de tanto amar, desequilibra-se ao mar – não se afoga, transborda (amor)

Embriagado de tanto amar, desequilibra-se ao mar – não se afoga, transborda (amor)

Avatar

Por Fernanda Nicz*

fe-nicz

Entre fases e frases, vive-se.
Entre terra e mar, equilibra-se.
Pra cada fase, uma frase
Que leva a outra fase.
Pra cada passo, um pouco de mar
Que leva a outra terra
O amor por se amar.

Há fases de frases
E há fases que não bastam frases
Há tempos em terra
E há tempos em que chão é pouco.

Cansado de frases e chão
Propositalmente, desequilibra-se o equilibrista.
Muda de fase e, embriagado de tanto amar,
Lança a alma ao mar
Que lava, leve e leva.

Não mais em terra
Vive a utopia dos mais românticos
Insiste na intensidade do belo ao limite
Segue aprendiz dos próprios sonhos.

E por ser tudo tanto e todo
É à margem, na solidão e no silêncio, que se descobre.
Descobre-se de tudo, do todo e de tantos.
E, de cara com a essência (sua),
A missão única se apresenta.

Vida é isso;
Um eterno construir frases pra dar conta de diferentes fases (de si/da vida)
Um vasto caminhar por terra, mar e amar.

Vida é isso;
Evoluir partindo de si
E depois daí, transbordar por aí
O melhor que há em ti
Porque sem deixar legado
Não há vivido, nem há sentido.
Há apenas, um inútil ensaio do que poderia ter sido.

fe-nicz*Fernanda Nicz é escritora, professora de kundalini yoga e escorpiana (ascendente em peixes e lua em câncer…tudo água, emoção à flor da pele!). Estudou cinema e jornalismo e viveu, além do Brasil, na Inglaterra, nos EUA, na Itália e, atualmente, está em Portugal.

Em 2014, criou o projeto Minideias (https://fernandanicz.wordpress.com ) com o objetivo de provocar revisão de valores na sociedade, instigando e inspirando mudanças ao apresentar novas possibilidades de “estar no mundo” e diferentes “formatos de vida”. Andarilha/peregrina na eterna busca de personagens e paisagens inspiradoras, percorreu ecovilas e fazendas agrícolas a procura de simplicidade, natureza e minimalismo.  Depois de alguns meses na ecovila Tribodar (Alentejo), segue, agora, escrevendo o livro; metade romance, metade crônicas, de seu Minideias.

Vá para cima