Lendo agora
Conscientizar os valores pessoais

Conscientizar os valores pessoais

Monika von Koss

Por Monika von Koss*

Photo credit: Βethan via VisualHunt / CC BY-NC-ND

Nestes tempos revoltos em que estamos vivendo, em que os valores estão apagados, borrados, confusos e/ou distorcidos, seria útil cada pessoa reavaliar e reformular seus valores pessoais, repensar os princípios que guiam suas ações, avaliando e ajustando-os, a fim de criarmos o mundo mais de acordo com nossos ideais.

Valores não são conceitos abstratos, mas forças que vibram em uma frequência sutil. Cada um dos valores que sustentamos desdobra-se em várias crenças que, por sua vez, se manifestam em múltiplas atitudes. Isto significa que os valores que cultivamos determinam, em última instância, nosso comportamento e a direção de nossa vida.

Apesar dos valores em si serem imutáveis ao longo do tempo, cada pessoa precisa atualizar os valores pessoais, dando-lhes uma conformação própria para que possa sustentá-los em sua vida cotidiana, integrando-os em sua personalidade. Não tendo sua origem nas circunstâncias de vida, mas sendo parte da própria estrutura que nos torna humanos, apenas a própria pessoa pode determinar a importância de um valor em sua vida, pois os valores que informam nossas ações definem como escolhemos viver, dentre as infinitas possibilidades de ser.

Trabalhar com os valores pessoais nos torna mais conscientes das vibrações que motivam e orientam nossas ações no mundo. Isto não apenas traz mais foco e direção para tudo que fizermos, mas também alimenta um sentimento de propósito e satisfação, fortalecendo a confiança em nós mesmos.

Para as mulheres em especial, vivendo em um mundo definido pelo masculino, o simples fato de nascer em um corpo de mulher traz um sentimento de menos-valia. Por mais que tenhamos trabalhado com nossa estima, nossa confiança, nossa valorização, no fundo do nosso ser existe um resquício de depreciação, de desqualificação ou sentimento de inferioridade, que apenas pode ser curado por meio da recuperação de valores humanos que, em essência, não pertencem a nenhum gênero, mas fazem parte da herança coletiva da humanidade.

Sempre fui amiga das árvores, como muitos de vocês já devem ter percebido, e sempre que posso me sento perto ou debaixo de uma delas, com o intuito de ouvir sua sabedoria. Não foi diferente quando estive recentemente em Brasília visitando uma amiga. Caminhando pelo condomínio em que mora, cheguei a uma frondosa figueira e me sentei no banco que havia diante dela. Eu caminhava para refletir sobre uma questão pessoal, pois andar me ajuda a pensar.

Após caminhar sob o generoso sol do planalto central, a igualmente generosa sombra da figueira foi muito bem-vinda. E como sempre, nao podia deixar de ‘conversar’ com ela. E como sempre, ela me trouxe clareza a respeito do tema que tinha em mente, clareza que partilho aqui com você.

Você provavelmente tem alguma consciência de quais são os valores que sustenta e que orientam suas ações. E se você fizer uma lista destes valores, provavelmente vai acabar com uma lista mais ou menos longa.

Pois então, sentada sob a figueira, ela me mostrou que estes valores são como as folhas da copa de uma árvore. Enquanto algumas árvores têm uma copa mais frondosa, com mais folhas, a copa de outras é mais rala e tem menos folhas. Mas isto nao faz uma árvore ser melhor que outra, apenas diferente. Assim também as diferentes pessoas terão diferentes listas de valores.

Estes valores, em maior ou menor profusão, são como a copa de uma árvore, são os desdobramentos mais externos de seus galhos, que por sua vez são desdobramentos de seu tronco. A maioria das árvores possui apenas um tronco, mas algumas espécies apresentam um tronco composto, como esta figueira com quem eu estava ‘falando’, que possuía um tronco composto por três pilares. Assim também os nossos valores essenciais, aqueles que formam o nosso eixo de sustentação, são sempre poucos, muitas vezes apenas um.

São estes valores essenciais que norteiam nosso caminho em direção a quem somos verdadeiramente. E quando norteamos nossas escolhas e nossas ações pelos valores essenciais de nossa alma, estaremos sempre no nosso caminho de crescimento, de expansão em consciência. E como este é o caminho para nossa integridade, a resposta da vida será sempre para aumentar nossa integridade, mesmo quando não a entendemos de imediato, pois o primeiro entendimento em geral vem do ego, daquilo que aprendemos como as coisas devem ser. Quando fazemos escolhas que honram nossos valores essenciais, estamos seguindo o caminho da alma, o caminho que nos torna cada vez mais quem somos verdadeiramente.

Se você quiser se conscientizar de seus valores essenciais, marque uma sessão por skype ou, se preferir, pessoalmente. Você ficará surpreso com a autopercepção resultante de um processo rápido e simples.

*Monika é psicoterapeuta de abordagem energética transpessoal, com longa experiência em atendimento clínico, complementou sua graduação em Psicologia com especialização em Psicanálise e diversos estudos adicionais em técnicas corporais e energéticas, Xamanismo e Budismo Tibetano. Suas pesquisas do Feminino e da Deusa resultaram em cursos, workshops e rituais realizados no Espaço Caldeirão, além de textos e livros publicados. Atualmente encontra-se em Formação para Praticante de Fractologia – a Ciência da Cura, ancorando no Brasil o trabalho desenvolvido pela Dra. Catherine Wilkins da Austrália.

Veja comentários

Deixe uma resposta

Vá para cima