Lendo agora
BodyTalk & planetas como cartografias de sentido

BodyTalk & planetas como cartografias de sentido

Avatar

Por Nirvana Marinho*

Photo by NASA on Unsplash

Essa série “BodyTalk &” foi idealizada para abrir possibilidades de conhecimento e diálogo do BodyTalk – abordagem terapêutica de saúde – com um público simpatizante, seja pelas inúmeras técnicas que são abordadas nas sessões de BodyTalk, seja pelas possíveis profissionais terapeutas atuantes que, ao utilizarem tais técnicas originais, podem dialogar também e reconhecer no BodyTalk convergências.

Serão 6 textos: (1) BodyTalk & corpo em movimento, (2) BodyTalk & meridianos em relação, (3) BodyTalk & chakras para me re-conhecer no todo, (4) BodyTalk & planetas como cartografias de sentido, (5) Química do corpo e nosso microbioma e (6) Os cinco elementos na prática de escuta do corpo. E ao fim destes, três ensaios que abordam a Consciência como base filosófica e energética fundamental do Sistema BodyTalk e de sua terapêutica.

Este quarto texto sobre os planetas se incluem no sistema BodyTalk em certa medida que estão presentes das diversas falas que emergem do corpo no atendimento de BodyTalk. E também porque fazem parte do que chamamos ciclos da vida, ou seja, quais ciclos estão presentes no nosso caminho de auto conhecimento e de cura a partir dos quais os planetas nos mostram tendências. O que os planetas dizem do nosso corpo?

Os planetas guardam uma espécie de geografia astral, a ciência das relações entre localização, relação entre eles, significados e mitos que perfazem uma teia de tendências que alguns entendem como destino, outros ainda, veem como oportunidade de enxergar os conflitos que vivenciam como trampolim a partir da sabedoria da qual cada planeta rememora.

Como é isso de cada planeta ter seus mitos que são, ao mesmo tempo, o conflito e a sabedoria – o natural e o patológico? O que tal sabedoria tem a nos contar dentro do corpo? Quais constelações são possíveis quando uma parte do corpo se refere ao sol, a terra, a lua? O que destes podemos emprestar para falar de conflitos, memórias, dores próprias desta materialidade?

Nossas mitologias contidas na energia dos planetas funcionam como histórias a partir das quais é possível entender como nossas crenças ganham corpo. Em alguma medida, os mitos nos informam sobre a construção do nosso ego e a jornada que a alma procura. Daí surge uma certa força com a qual buscamos transpor tais histórias; transpor menos para vencê-las – ilusão de deuses – mas mais para recontextualizar nossas histórias fundantes.

Dito de um certo modo, os planetas são passaportes para entrarmos em campos de histórias que se repetem nas nossas vidas e, com eles, os mitos avisam os percursos que nossas crenças se inclinam. Não é inevitável nem pré-determinado, é uma tendência, uma probabilidade. Podemos ver como um convite.

É sobre essa plataforma complexa que o BodyTalk nos proporciona olhar para os planetas: na sua constelação de sentidos, para onde pulsam nossas histórias e como se inscrevem no corpo. Terra, Sol, Lua, Marte, Mércurio, Saturno, Júpiter, Netuno, Plutão, Urano e os recém descobertos Chiron, Ceres, Quaoar e Sedna também são lidos, no BodyTalk, em suas consciências, porque as relações que seus mitos desenham são convites para olhar para nossas próprias histórias.

E se o sistema de planetas tem uma combinação e leitura própria chamada astrologia que os localiza e contextualiza seus mitos segundo seu posicionamento quando nascemos ou a cada ano de nossas vidas, no BodyTalk essa dimensão ganha uma cartografia corporal. Vê-se no corpo uma rede de relações ensinadas por seus significados e por seus movimentos que o corpo procura para simbolizar também seus conflitos, através do que cada planeta guarda como consciência.

Terra com seu consciência de aterramento (grounding), embora não situada no grupo de planetas astrológicos, nutre, floresce e ativa os ciclos naturais, quando na sua força natural; e quando patológica, aliena, desnutre, confunde – é quando dizemos para alguém “liga o fio terra!”. O que seria um fígado orientado para a terra – um corpo que tem sido exigido de fazer de seus planos reais, ora estressado ora cobrado ou mesmo com fígado que fisiologicamente está exigido e pede nutrição. Assim, vamos tendo pistas do corpo. Sombras, vestígios, relações em um sistema holístico e dedutivo, mas não somente interpretativo porque o corpo não manda recado, ele tem sua própria sabedoria em se comunicar. Assim como os planetas, conhecer essa linguagem, esse idioma, é uma das formas de se alinhar com essa tal sabedoria, que está em nós e por toda parte. Uma grande consciência.

Conheça o BodyTalk escolhendo seu terapeuta pelo link oficial da IBA – Associação Internacional de BodyTalk. www.bodytalksystem.com

 

*Nirvana Marinho (CBP, Certified BodyTalk Practitioner (CBP), Terapeuta certificada IBA International BodyTalk Association)

Para falar comigo envie um whatsapp para (11) 97672-8460 ou
e-mail: [email protected]
https://www.facebook.com/nirvana.bodytalk/

Vá para cima