Lendo agora
BodyTalk e o sonho de seu fundador – 1ª Parte

BodyTalk e o sonho de seu fundador – 1ª Parte

Avatar

Por Nirvana Marinho*

Como tem sido publicado, o BodyTalk cresce no Brasil, graças a formação continuada do terapeuta Marcio Ribeiro e a dedicação do grupo de coordenação dos cursos no Brasil – Isadora Ribeiro (SP), Celia Barboza (RJ), Marcela Dayrell (Goiânia), Verena Kacinski (Brasília) – e, não menos importante, graças a primeira geração que há décadas investiu numa formação longa e internacional para trazer o atendimento do BodyTalk para estas capitais. Assistimos recentemente a força de uma matriz de trabalho, o que engrandece o tratamento, o olhar dos terapeutas e, consequentemente, os resultados de saúde, bem estar e conforto vão ganhando a fala e o dia-a-dia dos clientes que a experienciam. É um sistema que não pára, portanto, apresentamos aqui, com tradução da terapeuta CBP Nirvana Marinho, parte do recente artigo (a 2a parte é mais técnica dirigida aos terapeutas BodyTalkers) de agosto de 2016 de seus fundadores – John e Esther Veltheim – intitulado I Had a Dream, artigo no qual é possível ver os princípios e bases da abordagem terapêutica de saúde BodyTalk e seus desafios.

Esperamos assim contribuir para a reflexão aprofundada das abordagens terapêuticas que priorizam olhar o sistema complexo corpo-mente e suas peculiaridades combinadas aos nossos três cérebros – da cabeça, do coração e o gut – assim como a efetiva jornada da alma no auto-conhecimento, na cura e no equilíbrio constante no qual nos dispomos a meditar a vida.

 Se um pequeno sonho é perigoso, a cura para isso

não é sonhar menos

mas sonhar mais, sonhar o tempo todo.

Marcel Proust

“A evolução do BodyTalk começou há quarenta anos atrás com um sonho. A primeira parte do meu sonho era sobre uma terapia que pudesse transcender o modelo do diagnóstico, seguindo a primeira diretriz do corpo sobre seu próprio processo de cura. Nessa terapia, eu tinha visão do corpo na sua total expressão para decidir sobre suas próprias prioridades de tratamento. A função do terapeuta não era mais orquestrar o processo de tratamento de acordo com uma opinião de diagnóstico. Ao invés disso, a função do terapeuta poderia ser honrar e ser guiado pelo corpo de suas prioridades para cura.

A segunda parte do meu sonho era a mesma de muitos seres humanos antes de mim: uma terapia que pudesse oferecer resultados tais que poderiam ser exponencialmente benéficos. No meu sonho, o sistema humano pode permanecer dinamicamente no caminho do seu bem-estar e poderia continuar melhorando mesmo depois que o tratamento tivesse acabado. Em outras palavras, o corpo, com sua própria sabedoria, poderia assumir o controle.

A primeira parte do meu sonho se realizou através do que nós chamamos de Sistema BodyTalk. O trabalho dos terapeutas é serem orientados e apoiados por um protocolo de questões, simples ainda que complexo. O corpo é consultado da forma mais respeitosa e, como consequência, o complexo corpo-mente como um todo revela, muito claramente, suas prioridades e necessidades. Percebi que esse sonho vem sendo o trabalho de base, a fundação, para a segunda parte do meu sonho.

Para a segunda parte do meu sonho, o mistério que eu precisava abordar, na raiz, era: o Inato, a sabedoria inerente do corpo, que é sempre orientada para a cura. Quando fazemos um tratamento de BodyTalk, o Inato informa ao terapeuta o que o sistema precisa. Admite-se, com o tratamento de BodyTalk, usualmente menos tratamentos são necessários que em outras modalidades, mas ainda sim uma pergunta irritante me atormentava. No despertar do tratamento, qual mecanismo inibia o impulso natural do inato em direção a cura exponencial do corpo?

A resposta para minha questão tinha que repousar num melhor entendimento sobre a dinâmica do próprio inato. Depois disso, a sabedoria inata do corpo tem princípios guias para a evolução do BodyTalk. Imediatamente, meu foco voltou-se para sabedoria ancestral dos corpos que falavam da alma e de seus relacionamentos com os três cérebros. Esses cérebros estão na cabeça, no coração e nos intestinos (gut). O que há muito capturou meu foco foi o gut ou o cérebro entérico. Agora, inspirado por uma intenção mais clara, quanto mais eu explorava a dinâmica do cérebro gut no meu próprio corpo e seus processos psicológicos, mais eu percebia que ali havia algo. Entender estas matrizes dos três cérebros e suas relações para revelar a jornada da alma parecia ser a chave para realizar a segunda parte do meu sonho.

Em anos recentes, o campo da neurologia e de certas escolas de filosofia e HeartMath tem semelhanças com minhas próprias explorações sobre o cérebro entérico e os outros dois. Em alguns casos mais orientados para filosofia, o conceito de alma ou de consciência individual e suas relações com os três cérebros tem também sido assunto de exploração.

Para mim, o que parece, em todos os casos, impedir uma investigação mais profunda desses conceitos tem sido a ausência de terapias que:

. Conheçam a existência e importância destes quatro princípios – cérebros entéricos, do coração e da cabeça e a alma
. Identifiquem a causa da dissociação e do mal funcionamento
. Catalizem e ajude a perpetuar sua vivacidade, interação e interdependência dinâmicas
. Possam endereçar os desafios metafísicos que impedem o impulso do inato de se curar
. Dêem suporte a jornada da alma
. Transformem a experiência humana

Assim que eu comecei a experimentar e incorporar a alma e os três princípios dos cérebros na minha prática pessoal de BodyTalk, meu segundo sonho começa a se realizar. No meu próprio corpo e seus processos psicológicos, eu percebi que a comunicação mais forte e clara do inato dependia do funcionamento saudável do complexo dos meus três cérebros. Enquanto eu lutava para me inspirar na sabedoria do corpo para orientar meu trabalho, percebi que era porque esses sistemas estavam dissociados. Meu cérebro da cabeça poderia começar a dominar, a duvidar e distorcer o fluxo do meu pensamento. Meu estado emocional me drenava a motivação e pesava sobre mim, pesadamente. Por outro lado, o momento em que eu desisti de tentar fazer o trabalho e distraía eu mesma em algo menos mental, o trabalho poderia começar sem esforço a fluir de novo. Era muito tangível e fácil saber quando os três cérebros estavam funcionando de forma saudável e solidária.

Para dar uma imagem: diríamos que a manifestação física do inato está no sistema nervoso. O sistema nervoso, nossa estrada de informações sensoriais, nos informa via sentidos normais e sutis o que, por sua vez, informa sobre vários centros do corpo, em particular, a cabeça, o coração e o cérebro gut. Esses três cérebros, quando estão funcionando saudavelmente, digerem, discernem e disseminam os impulsos do inato.”

Conheça o BodyTalk escolhendo seu terapeuta pelo link oficial da IBA – Associação Internacional de BodyTalk.
www.bodytalksystem.com

nirvana

Nirvana Marinho (CBP, Certified BodyTalk Practitioner (CBP), Terapeuta certificada IBA International BodyTalk Association)

Para falar comigo envie um whatsapp para (11) 97672-8460
ou e-mail: [email protected]
https://www.facebook.com/nirvana.bodytalk/

Veja comentários (2)

Deixe uma resposta

Vá para cima