Lendo agora
A ousadia da vulnerabilidade

A ousadia da vulnerabilidade

Nowmastê

Por Thainá Cunha*

Baixar a guarda, pedir perdão, tomar a iniciativa, expor uma opinião diferente, confiar em alguém. Só quem já passou por alguma dessas situações, sabe o que é tremer nas bases ao ser vulnerável. A vulnerabilidade é, para alguns, um bichinho de estimação cheio de fraqueza e insegurança que alimentamos. Para outros, ela demonstra a capacidade de transparecer plenamente quem somos.

Ao pesquisar sobre o tema para escrever esse texto, aprendi que a vulnerabilidade tem a ver com a honestidade de expressar nossos sentimentos, independentemente da vergonha, do medo e do sentimento de não-merecimento que paira sobre nós.

No livro “A coragem de ser imperfeito”, a pesquisadora e professora, Brené Brown lista os ideais fundamentais que baseiam a vulnerabilidade. São eles: a crença no merecimento de amor, aceitação e alegria e a identificação da vulnerabilidade como um poderoso estimulante para a coragem, a compaixão e a criação de vínculos. Brené, que também aborda o tema no livro “A Arte da Imperfeição”, estudou a vulnerabilidade, a coragem, a dignidade e a vergonha nos últimos dez anos.

A vulnerabilidade também tem a ver com a capacidade de estar aberto às mudanças da vida e se entregar por inteiro, é o que afirma Brené Brown durante sua palestra no TED. Ao entender seus medos e crenças e acolher a vulnerabilidade, a pesquisadora explica que nos sentimos vivos e auto- suficientes, pois ela nos oferece alegria, criatividade, pertencimento e amor.

Mas como acolher a tal da vulnerabilidade?
Chamar esse bichinho de estimação, que até então nos parecia feio e chato, para brincar, não é tarefa das mais simples, mas temos que começar de algum lugar. Confira alguns dos (muitos) caminhos possíveis para dar início a essa longa, difícil, porém bela empreitada:

Ame, ame, ame
A si mesmo e aos outros. Incondicionalmente. Integralmente. Ao aceitar de verdade quem você é e quem os outros são, fica bem mais fácil abrir os olhos de manhã, e você ainda ganha como bônus a certeza de que você é suficiente. É tarefa árdua, mas só por hoje se desafie a amar e aceitar as coisas, as pessoas e a si mesmo e aproveite os benefícios que virão.

Enfrente suas incertezas e inseguranças
Uma das coisas mais certas na vida é que nada é 100% certo e seguro. O simples fato de você vir ao mundo já te coloca em inúmeros riscos e perigos.Então se faça um favor: pare de tentar controlar e prever as coisas. Essa mania de querer ter tudo sob controle é uma das maiores causas de estresse e perda de tempo, sabe por quê? Por que a vida é, muitas vezes, incontrolável.

Exponha seus riscos emocionais
Convidar alguém para sair, conversar francamente com o chefe, puxar papo com um estranho, mostrar ao mundo seus talentos, são coisas que nos paralisam, justamente por nos deixar vulneráveis. Quando você ama e aceita a si mesmo e aos outros e segue em frente mesmo com suas incertezas, expor os seus riscos emocionais vira uma consequência

Viva de verdade
Como diz a Brené, o maior benefício de abraçar a vulnerabilidade é nos sentirmos mais vivos e plenos. Arriscar e dizer sim a vida, dar a cara à tapa e, se bobear, ainda oferecer a outra face, nos traz mais bagagem cultural, mais experiências e histórias para contar. Muita coisa vai dar certo nessa trajetória e um monte de outras não darão, no meio disso tudo estará você sendo cada vez mais o melhor que você já é. Ouse ser vulnerável!

O que te impede hoje de abraçar a sua vulnerabilidade, hein? Deixe nos comentários!

Thainá Cunha

*Meu nome é Thainá Cunha, moro em Ouro Preto, Minas Gerais e sou formada em Jornalismo. Acredito que gente inspirada, motivada e conectada consigo mesma tem um potencial incrível nas mãos. Trazer esse potencial à tona de forma leve e transformadora é a minha missão. E é através de conteúdo, produtos de informação e consultoria que inspiro as pessoas. No meu site, o Varal de Estrelas, você encontra matérias, entrevistas, opinião, dicas e ideias de autoconhecimento, estilo de vida e transformação pessoal.

Vá para cima